festival-curitiba1x
 “Conselho de Classe” traz para o palco os problemas e desafios da educação

A montagem, concebida em 2013 para comemoração dos 25 anos da Cia dos Atores, volta aos palcos do Festival de Curitiba

 O premiado espetáculo “Conselho de Classe”, da Cia. dos Atores, volta aos palcos do Festival de Curitiba com duas apresentações: nos dias 29 e 30 de março, ambas às 21h, no Teatro da Reitoria.  A montagem, concebida em 2013 para comemoração dos 25 anos da Cia. e que retorna a Curitiba com elenco original, trilhou trajetória nacional que ultrapassa 200 apresentações e 50 mil espectadores. Destaque nas premiações de teatro em 2014, a peça recebeu os prêmios Shell (cenário), Cesgranrio (espetáculo, texto, direção e cenário) e APTR (texto, direção e ator), entre outros.

“Conselho de Classe” será encenado no Teatro da Reitoria. Crédito: Vicente de Mello

Conselho de Classe traz o texto de Jô Bilac dirigido por Bel Garcia (in memorian) e Susana Ribeiro e, no elenco, Cesar Augusto, Marcelo Olinto, Leonardo Netto, Paulo Verlings e Thierry Tremouroux.

A história ocorre em uma escola pública do centro carioca, problematizando questões macro e micropolíticas da educação. No texto, há a abordagem realista do ambiente escolar, a fim de gerar um diálogo a respeito da educação no Brasil e da sua atual situação no mundo.

Em cena, uma reunião de professores é desestabilizada pela chegada de um novo diretor. Esse encontro faz eclodir dilemas éticos e pessoais em meio a decisões que se confundem nas relações de poder da instituição escolar. É o ambiente escolar fervilhando. Problemas no processo ensino-aprendizagem, no processo avaliativo das instituições escolares, na avaliação do rendimento do aluno, nos conteúdos, na metodologia de ensino e na filosofia de educação, fundem-se com as dificuldades políticas existentes entre grupos “rivais” liderados pelas pessoas que almejam os cargos mais altos da escola.

Desafios da educação

 Susana Ribeiro, uma das diretoras da peça, explica que Conselho de Classe surgiu do desejo da companhia de produzir um espetáculo realista, com tempo cronológico e pessoas do cotidiano. Segundo ela, o ensino brasileiro está em colapso por falta de valorização dos professores.

Desde 2013, quando a peça estreou, Susana acredita que a educação piorou no país. “Sabíamos que não era fácil mudar a realidade em 2013, mas não imaginávamos que estaríamos tão mal e que se desvalorizaria tanto o professor. A educação nunca foi prioridade no país e continua não sendo. Não só não é uma prioridade como para alguns é uma ameaça. Não termos direito a uma educação mínima é surreal”.

Na opinião da diretora, a importância da peça é continuar discutindo o assunto do ponto de vista de quem faz a educação. E, de acordo com ela, o espetáculo costuma ter a aprovação de espectadores ligados ao tema. “O maior elogio que recebemos é quando os professores dizem que se sentem representados em cena. Infelizmente, pois o que a peça retrata é triste. O ensino público no Brasil vive situação de calamidade. O corpo docente está adoecido por conta das condições precárias de trabalho. É um tema duro, difícil de contar”.

Susana Ribeiro afirma que a peça mostra a necessidade de a escola ser construída com envolvimento da comunidade. “A peça é um desejo de que possamos construir uma educação com mais escuta. A escola não é feita só de professores. Precisa de engajamento da comunidade, pois é uma referência, um lugar de encontro, de pensamento e de troca de conhecimento”.

Aliás, é dessa premissa – envolvimento da comunidade – que surge o nome da peça. Conselho de Classe é um colegiado que deveria abranger professores, funcionários, pais e até representante dos alunos – embora essa formatação nem sempre se apresente. “Esse é o verdadeiro conselho e é isso é o que deveria acontecer, uma vez que abrange todos os lados e pontos de vista sobre esse espaço de conhecimento”.

Ainda que a peça denuncie o abandono político da educação, também levanta pontos sobre o que pode ser feito por quem faz parte do sistema educacional. “A escola não está bem há muito tempo, por isso precisa olhar para ela mesma, se revisar, discutir e ter lugar para isso ser feito de forma inteligente e comprometida”. E o despertar das reflexões durante o espetáculo acontece, de acordo com a diretora, sem defender lados. “Tentamos distribuir as razões e entender que um professor de Educação Física pode ter um ponto de vista diferente de um professor de Artes ou Biologia. Isso é rico e cria dinâmica forte. Acaba, muitas vezes, que a plateia concorda com todos, mesmo que os personagens discordem entre si”.

Tema instigante, daqueles para ficar debatendo horas após o espetáculo e que é apresentado de maneira dinâmica e com humor – uma das passagens que costuma arrancar risos da plateia é quando uma reunião de professores é realizada na quadra de esportes, pois o ventilador da sala está quebrado.

Volta do Festival

A Cia dos Atores esteve presente na primeira edição do Festival de Curitiba, em 1992, e em diversos outros anos, e agora volta para a célebre edição de 30 anos. Para a diretora, a volta do maior evento de artes cênicas da América Latina com espetáculos presenciais representa um marco da retomada da cultura.

“Dá uma alegria de viver. É uma beleza voltarmos para o palco e criar relação de corpo a corpo com o público. Além da possibilidade de conviver com outras produções, pois essa é a beleza de um festival. É o momento de encontrarmos pessoas, nos apoiarmos e trocarmos”.

A pandemia, conforme disse, provocou diferentes momentos – como o de ficar em casa, de fazer arte no computador e de escrever novos projetos. Agora, segundo disse, chegou a hora de apresentar um pouco dessa vivência e das reflexões produzidas no período. “Por isso, é muito importante a presença de um festival. É no palco que vamos construir algo para o nosso futuro”.

Mostra Lúcia Camargo

A Mostra Lúcia Camargo é apresentada por EBANX, Paraná Banco, Governo do Estado do Paraná e New Holland, com patrocínio de ClearCorrect, Vonder, SulAmérica e Novozymes.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra Lúcia Camargo do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @Fest_Curitiba

 


FICHA TÉCNICA:

Texto: Jô Bilac

Direção: Bel Garcia e Susana Ribeiro

Assistência de direção: Raquel André

Elenco: Cesar Augusto, Leonardo Netto, Marcelo Olinto, Paulo Verlings e Thierry Trémouroux

Voz off: Drica Moraes

Cenário: Aurora dos Campos

Figurinos: Rô Nascimento e Ticiana Passos

Iluminação: Maneco Quinderé

Trilha sonora original: Felipe Storino

Consultoria pedagógica: Cléa Ferreira

Direção de produção: Luísa Barros

Direção de palco: Wallace Lima

Operação de luz: Genilson Barbosa

Operação de som: Diogo Magalhães

Agenciamento artístico: Claudia Marques

Realização: Cia. dos Atores


Serviço:

O que:
 Conselho de Classe no 30.º Festival de Curitiba
Quando
: 29 e  30 de março, às 21h
Onde: Teatro da Reitoria ( R. XV de Novembro, 1299 – Centro, Curitiba – PR, 80060-000)
Valores:
  R$ 80,00 (inteira) + taxa
Ingressos:
  www.festivaldecuritiba.com.br e na bilheteria física exclusiva do Shopping Mueller (piso L2), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.
Classificação: 12 anos.
Duração: 70’

NULL

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts relacionados

Entre os dias 29 de março e 10 de abril, você tem um encontro com a arte, os palcos, a vida!

Menu

Entre os dias 29 de março e 10 de abril, você tem um encontro com a arte, os palcos, a vida!